Bujutsu – (Arte do Bastão – Bō)

Bujutsu (武術? lit. Arte Marcial) é o conjunto das Artes Marciais Japonesas. Faziam parte do treinamento militar dos samurai (ou bushi) para uso na guerra. Utilizavam materiais agrícolas como meio de se defenderem de ataques. é uma arte marcial criada por camponeses.

Algumas das disciplinas do Bujutsu são:

Bōjutsu (Arte do Bastão – Bō)
Kenjutsu (Arte da Espada)
Battojutsu (Arte de Desembanhar a Espada)
Sōjutsu (Arte da Lança)
Kyujutsu (Arte do Arco)
Naguinatajutsu (Arte da Alabarda)
Jūjutsu (Arte da Luta Suave)
Jojutsu (Arte do Bastão – Jō)
Shurikenjutsu (Arte da Shuriken)
Hojōjutsu (Arte de Amarrar com a Corda)

A prática delas era monopólio do estamento guerreiro. Por lei, apenas os Bushi podiam praticá-las. Foi assim, até a Restauração Meiji.

Samurai empunhando uma katana (c. 1860).

(Bushi – período Arte da Luta Suave (1603-1868))

Histórias heróicas do Taiheiki (Teiheiki eiyû den, Taipei Eiyû den) Parte I, Editora: Yamamoto-ku, Tóquio (1798-1861): Kozaemon Hisamitsu montado e blindado, mas com cabeça nua, em seu corcel galopante. ya Heikichi, 1848-1849

O Guerreiro Japonês Profissional (Bushi) foi antes do período Tokugawa (1603-1868) constantemente sob disciplina durante guerras persistentes. em combate o cavalo desempenhou um papel decisivo a partir do qual arco e flecha, espada, lança, nagamaki ou nagata poderiam ser usados ​​com vantagem. Aprimorando a prática da montaria/hipismo ao longo do tempo, devido a isto, o cavalo também pode ser usado como uma arma, bajutsu, bem como usado em conexão com a luta na água, sui-bajutsu.

Hoje, algumas das referidas escolas (ryū) ainda existem e não são mais reservadas para os guerreiros japoneses. Algumas escolas trabalham exclusivamente, enquanto outras escolas estão abertas ao público.

Ao longo da história do Japão, independentemente do período, as escolas de Bujutsu foram fechadas enquanto novas escolas surgiram. Após o período feudal do Japão (1868), as escolas foram Toyama Gakko fundada em 1873; Era uma escola especial para militares. A escola foi dissolvida em 1925. Nakamura Ryū foi fundada em 1952 por Nakamura Taizaburo (1911-2003).

Toyama-ryū (戸 山 流) estabelecido em 1925 por um comitê de especialistas sênior de várias tradições de espadas para o currículo do Rikugun Toyama Gakko.

A escola especial para treinar pessoal do exército fundada em 1873, chamada Rikugun Toyama Gakkō ou “Toyama Army Academy” em Toyama, Tóquio, Japão, levou ao estabelecimento de Toyama-ryu. Hoje, linhas separadas de Toyama-ryū estão localizadas principalmente na região de Kantō, Tokai e Kansai do Japão.

Toyama Gakko

Uma coleção de objetos culturais japoneses, incluindo artefatos militar da época (armadura japonesa, yumi, yari, katanas e tachi, entre outros), bem como um pequeno santuário, móveis, porcelana e louças, escova e vidro colorida à mão. Esta imagem fotográfica foi executada antes de 31 de Dezembro de 1956, ou fotografada antes de 1946. Ela está sob jurisdição do Governo do Japão

Após a Restauração Meiji, os oficiais do exército japonês foram obrigados a transportar sabres de estilo ocidental. Durante a década de 1920, o Japão passou por uma fase de nacionalismo militante que durou até a derrota na Segunda Guerra Mundial. Ao adotar a katana, a espada tradicional do samurai, os japoneses estavam se aliciando com a tradição militar samurai. A adoção da katana também serviu para acalmar o descontentamento entre os setores mais politizados do exército que ficaram indignados com a mecanização (outra lição aprendida da Primeira Guerra Mundial), que enfatizou o papel de infantaria e cavalaria.

Em 1925, uma vez que nem todos os oficiais tinham antecedentes suficientes em kenjutsu para implantar essas armas em combate, foi concebida uma técnica simplificada de espadas que enfatizava os pontos mais essenciais de desenho e corte. O exército iai-battō kata difere daqueles de muitas escolas de espadas de koryū na medida em que todas as técnicas são praticadas a partir de uma posição permanente. Além disso, este moderno ryū tem uma forte ênfase em tameshigiri, ou “teste de corte”.

No final da Segunda Guerra Mundial, a Academia Militar de Toyama tornou-se o Camp Zama do Exército dos EUA. No entanto, o sistema militar iai foi revivido após 1952. Na década de 1970, três organizações separadas representavam Toyama-ryū Iaido: em Hokkaidō, a Federação Japonesa Toyama Ryu Iaido (estabelecida por Yamaguchi Yuuki); em Kansai (área de Kyoto-Osaka), a Associação Toyama Ryu Iaido (estabelecida pelo ex-instrutor principal de Morinaga Kiyoshi da Academia Toyama); e a Federação do Japão Toyama Ryu Iaido (estabelecida por Nakamura Taizaburo). Cada uma dessas organizações era autônoma e manteve seu próprio conjunto de formas; o ramo de Hokkaido incluiu espadas versus exercícios de baioneta. Hoje, existem muitos instrutores ativos de Toyama-ryū fora do Japão, na Califórnia, na República Tcheca (Federação Tcheca de Toyama Ryu – Gunto no Soho & All three line principal Moringa-ha, Nakamura-ha e Yamaguchi-ha), Polônia, Austrália , Inglaterra e Itália.

Nakamura-ryū / Happōgiri Battōdō

É um estilo de batalha criado por Nakamura Taizaburo que viveu entre 1912-2003.

Nakamura desenvolveu o battōdō enquanto ensina kenjutsu no norte da China. Ele foi inspirado pela idéia de que o eji Happō (os oito princípios de escrever kanji) poderia ser aplicado ao esgrima. Ele começou a organizar seus entendimentos em um sistema de esgrima prática em que as técnicas não marciais foram descartadas (bem como o prático Toyama-ryū do início do século XX).

O sistema baseia-se nos estudos de Nakamura enquanto ensina Toyama-ryū: levando a lâmina da espada após um corte, paragem, progredindo para a próxima postura combativa usando a energia cinética da espada. Ele também faz uso do que, através de suas pesquisas, Nakamura encontrou ausente de muitas outras escolas de iaidō, kendō e battōjutsu: o kesagiri, um corte que ele achou extremamente útil.

As técnicas de corte do Nakamura-ryū são eficazes na sua simplicidade: o impulso (de forma simples ou dupla), o corte vertical descendente, o corte diagonal descendente esquerdo, o corte diagonal direto para a direita, o corte diagonal direto para a direita, o corte diagonal esquerdo para a diagonal , corte horizontal esquerdo e corte horizontal direito. As oito técnicas de corte são derivadas do eji happō.

Oito chiburi foram então incorporados ao sistema. O chiburi básico usado tanto em Toyama-ryū iaidō quanto em Nakamura-ryū battōdō é realmente uma posição de envergadura: a espada é abaixada, seu ponto ligeiramente elevado no nível do joelho; A partir desta posição, pode-se manter o zanshin, bem como converter facilmente em um impulso, se necessário. Nakamura adicionou sete mais chiburi, notavelmente de Omori-ryū e Tenshin Shōden Katori Shintō-ryū kenjutsu.

Os cinco kamae de kendō / iaidō também foram incorporados ao estilo, aos quais foram adicionadas as versões do lado esquerdo de waki kamae e hasso kamae, e direito jodan kamae, fazendo oito kamae completamente.

Veja também:

Matriz e Ramificações das Artes Marciais Pela História

Referências:

Fotos: Esta imagem fotográfica foi executada antes de 31 de Dezembro de 1956, ou fotografada antes de 1946. Ela está sob jurisdição do Governo do Japão. Assim sendo, esta imagem fotográfica é considerada com estando em domínio público de acordo com o artigo 23 da antiga lei de direitos de autor do Japão e artigo 2 de provisão suplementar da lei de direitos de autor do Japão. Isto aplica-se em todo o mundo

Draeger, Donn F. (1974) Modern bujutsu & Budo – The Martial Arts and Ways of Japan. (Vol. III). New York: Weatherhill. Page 65.

Extracts from Taizaburo Nakamura, Iaikendo. Tokyo: Seitousha, 1973, pp. 110–112. Translated by Takako Funaya. Reproduced on Kenshikan Dojo: History of Nakamura Ryu – Essential Principles of Nakamura Ryu, accessed 2008-09-26.

Draeger, Donn F. Classical Bujutsu (Martial Arts and Ways of Japan). Weatherhill, 1973, 2007. ISBN 978-0834802339 (em inglês)

Hall, David A. Encyclopedia of Japanese Martial Arts. Kodansha USA, 2012. ISBN 978-1568364100 (em inglês)
Skoss, Diane, Editor. Koryu Bujutsu: Classical Warrior Traditions of Japan. Koryubooks, 1997. ISBN 978-1890536046 (em inglês)

Skoss, Diane, Editor. Sword and Spirit: Classical Warrior Traditions of Japan, Volume 2. Koryubooks, 1999. ISBN 978-1890536053 (em inglês)

Skoss, Diane, Editor. Keiko Shokon: Classical Warrior Traditions of Japan, Volume 3. Koryubooks, 2002. ISBN 978-1890536060 (em inglês)

Mol, Serge (2016). Takeda Shinobi Hiden: Unveiling Takeda Shingen’s Secret Ninja Legacy Eibusha [S.l.] pp. 1–192. ISBN 978-90-813361-3-0. (em inglês)

Mol, Serge (2013). Bujutsu densho: Exploring the Written Tradition of Japan’s Martial Arts Culture Eibusha [S.l.] pp. 1–136. ISBN 978-90-8133612-3. (em inglês)

Mol, Serge (2010). Classical swordsmanship of Japan: A Comprehensive Guide to Kenjutsu and Iaijutsu Eibusha [S.l.] pp. 1–320. ISBN 978-90-8133611-6. (em inglês)

Mol, Serge (2008). Invisible armor: An Introduction to the Esoteric Dimension of Japan’s Classical Warrior Arts Eibusha [S.l.] pp. 1–160. ISBN 978-90-8133610-9. (em inglês)

Mol, Serge (2003). Classical Weaponry of Japan: Special Weapons and Tactics of the Martial Arts Kodansha [S.l.] pp. 1–217. ISBN 4-7700-2941-1. (em inglês)

Mol, Serge (2001). Classical Fighting Arts of Japan: A Complete Guide to Koryū Jūjutsu Kodansha [S.l.] pp. 1–242. ISBN 4-7700-2619-6. (em inglês)